Programação
Os Nutrientes da Cultura Matrilinear

Com Eliana Atihé
18 de novembro de 2017, sábado, das 10h às 16h


Apesar de fundamentais à condição humana, os valores associados ao arquétipo da Mãe vem sendo desvalorizados, negados e pervertidos sistematicamente, colocando em risco, assim, a cultura, que é o sustentáculo da civilização. 

A situação se agrava quando as próprias mulheres alinham-se com um patriarcado impermeável às qualidades do Feminino. Filhas do Pai, seduzidas pelo poder, guerreiras em tempo integral, elas terminam por reforçar o modelo vigente, polarizador, excludente e opressivo da alma individual e da alma do mundo. Podem também se tornar amazonas duras e mães perfeccionistas, resistentes a priori a qualquer diálogo com o masculino. As crianças e os jovens têm sido especialmente vitimados por essa visão de mundo cindida e idealizada. 


A alma adoece quando os sentimentos, a imaginação e a memória deixam de ser cultivados, em detrimento da inteligência lógico-racional.

Assim como o leite materno é provimento substancial para o estabelecimento do ser humano, existem outros nutrientes, intangíveis e imprescindíveis, que precisam ser reintroduzidos na criação dos filhos, nas relações em todos os âmbitos, na vida cotidiana enfim.

É hora de curar e não de guerrear, recuperando nossa conexão com o legado materno, compartilhado por homens e mulheres, e desse modo encontrar uma forma equilibrada e criativa de fazê-lo aflorar em nossas vidas.


 

 




Docente

Eliana Atihé é mestre em Semiótica e doutora em Educação. Palestrante, articulista, escritora e estudiosa de mitologias, tem se especializado nos temas do Feminino profundo e seu impacto nas vidas de mulheres e homens.