• Home
  • Programação
  • CANCELADO: O trágico na pós-modernidade
    Seminário Internacional com Michel Maffesoli
Programação
CANCELADO: O trágico na pós-modernidade
Seminário Internacional com Michel Maffesoli



:: ATENÇÃO ::

Informamos que por motivos de doença na família, o prof. Michel Maffesoli precisou interromper sua estada no Brasil e voltar para França repentinamente. Todos os alunos inscritos serão contatados com instruções sobre reembolso das inscrições. 
Esperando contar com a sua compreensão. 






17 de abril de 2018, terça-feira, das 9h às 12h.


Muitas vezes temos medo daquilo que se apresenta. Mas, querendo ou não, o destino está aí.

Diante da profunda mutação em andamento no mundo, e de um futuro que mostra contornos caóticos e uma vida feita de coisas mutáveis e incertas, ressurge o sentimento do trágico.

É preciso fazer uma distinção entre dois conceitos que são utilizados indistintamente: drama e tragédia.

A modernidade repousa sobre uma concepção “dramática” do mundo – há uma solução, sempre se pode chegar a uma resolução. Como dizia o velho Marx: a sociedade não se coloca um problema que ela mesma não possa resolver! A dialética (tese, antítese, síntese) é o instrumento preferido de tal visão de mundo.

Na pós-modernidade temos a tragédia, algo bem diferente – aqui não há “solução”. O trágico é sem solução, e daí a necessidade de “dar um jeito de lidar com aquilo que está aí”, algo que Lévi-Strauss chamou de “bricolagem”.

A temática do trágico é um vigoroso apelo para pensarmos o reencantamento do mundo.




 

 



 

Docente
Michel Maffesoli, Professor da Université de Paris-Descartes-Sorbonne. Professor convidado em inúmeras universidades europeias. Construiu sua obra em torno da ligação social comunitária e a prevalência do imaginário nas sociedades pós-modernas. É secretário geral do Centre de Recherche sur L’imaginaire e membro do comitê científico de revistas internacionais, como Social Movement Studies e Sociologia Internationalis. Recebeu o Grand Prix des Sciences Humaines da Academia Francesa em 1992 por seu trabalho La transfiguration du politique, entre outros prêmios. É vice-presidente do Institut International de Sociologie e membro do Institut Universitaire de France - I.U.F.