• Home
  • Programação
  • Como melhorar o convívio entre gerações
    na família, no trabalho e na sociedade
Programação
Como melhorar o convívio entre gerações
na família, no trabalho e na sociedade

Com José Carlos Ferrigno
4 a 25 de setembro de 2019, quartas-feiras, das 19h30 às 21h30


No mundo contemporâneo chama atenção um certo distanciamento físico e afetivo entre as gerações. Na correria do dia a dia pouco tempo sobra para a conversa entre pais e filhos ou entre avós e netos. Vivemos um momento histórico no qual imperam valores que conduzem à competição, ao individualismo e ao consumismo. Como consequência desse modo de vida, perde-se a riqueza das trocas de experiência entre velhos e moços na família, na escola, na empresa e nos demais espaços sociais. Por isso, de alguns anos para cá, os programas intergeracionais têm se multiplicado em inúmeros países, incluindo o Brasil, buscando fomentar a coeducação e a solidariedade entre pessoas de diferentes idades.

A compreensão sobre o assim chamado preconceito etário, passa por um exame do comportamento de jovens e velhos nos últimos séculos. Por exemplo, segundo o historiador Philippe Ariès, durante a Idade Média não havia uma noção clara de infância e tampouco das etapas do ciclo vital – crianças e adultos misturavam-se no ambiente do trabalho e nas festas da comunidade.

Para entendermos melhor tais relações, é importante refletir sobre o significado da idade em nossa cultura e a nossa percepção da passagem do tempo. Em certas comunidades indígenas e africanas nem os adultos fazem ideia de há quantos anos estão vivendo e, curiosamente, isso não faz diferença alguma para eles.

Afinal, o que significa ser criança, adolescente ou idoso?

Além das contextualizações sociológicas e políticas do fenômeno geracional, convido a todos os interessados a um mergulho em nossa subjetividade para analisarmos a sensação de sermos jovens e a satisfação com a idade que temos hoje.



 

 


   

CONTEÚDO

•  As relações sociais na sociedade contemporânea
•  As relações entre gerações nas sociedades do passado.
•  O comportamento das gerações na modernidade.
•  O impacto do aumento da longevidade na família e na sociedade.
•  As relações entre pais e filhos e entre avós e netos.
•  O preconceito etário e o conflito de gerações.
•  Conceito, tipologia, objetivos e métodos dos Programas Intergeracionais na Europa, Estados Unidos e América Latina.
•  Experiências brasileiras e estrangeiras exitosas no campo intergeracional.
•  O campo intergeracional: políticas, práticas e pesquisas.
•  Programas Intergeracionais nas instituições culturais e de lazer e nas empresas públicas e privadas.
•  Políticas Públicas no Brasil para a integração entre as gerações
•  Planejamento, gestão e avaliação de Programas Intergeracionais.

   
   

PÚBLICO ALVO

Profissionais que direta ou indiretamente trabalham ou têm a intenção de trabalhar com grupos intergeracionais em projetos que envolvam atividades culturais, de lazer socioeducativo ou voluntariado. Profissionais que pretendam aperfeiçoar a qualidade dos vínculos e a produtividade entre trabalhadores jovens e maduros de empresas e instituições públicas e privadas. E pessoas, de modo geral, motivadas em qualificar suas relações com seus próprios familiares, amigos e colegas de trabalho das mais diversas idades.

    
 

DOCENTE


José Carlos Ferrigno
, Doutor em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo. Especialista em Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia e pela Universidade de Barcelona. Especialista em Programas Intergeracionais pela Universidade de Granada. Professor dos cursos de especialização em Gerontologia do Hospital Albert Einstein. Consultor para programas de preparação para a aposentadoria e de programas intergeracionais. Autor de artigos sobre aspectos psicológicos do envelhecimento e relações intergeracionais na família e na sociedade. Autor dos livros “Coeducação entre Gerações” e “Conflito e Cooperação entre Gerações”. Ex-assessor e pesquisador da Gerência de Estudos e Programas da Terceira Idade do SESC SP, onde exerceu também os cargos de Coordenador do Programa SESC Gerações e de Editor da Revista "A Terceira Idade".